terça-feira, 3 de janeiro de 2012

A Era das Grandes Pirâmides – o Egito no limiar de grandes transformações



Devido à dificuldade em descrever a situação política do Egito, sem ser chato, eu decidi escrever este artigo baseado no roteiro do filme “A Pirâmide de Cristal” ("Tut e Tuttle") de Ron Howard, que foi ao ar em 1982 aqui no Brasil pela TV Globo.


Read this article in English

Meditando sobre a pirâmide de cobre e segurando a sua versão reduzida de  cristal de quartzo (meu pai me presenteou ambas as pirâmides na década de setenta), fui ao Egito Antigo acompanhado por um leão protetor.

Chegamos precisamente no dia 13 de setembro de 2588 aC - ou, dia 27 Paopi dia do festival das luzes, os fogos de Neith

Nossos foram anfitriões foram o príncipe Rahotep e sua esposa Nofret.

Ele era um príncipe no Egito Antigo durante a quarta dinastia. Não ficou muito claro se ele é o filho do faraó Snefru com sua primeira esposa. Zahi Hawass sugere seu pai era Huni.


De qualquer forma, os títulos Rahotep foram inscritos em uma estatua feita em sua homenagem ao lado de sua esposa, Nofret, dentro de sua mastaba em Meidum em 1871 descrevendo-o como Sumo Sacerdote da Ra em Heliópolis (com o Título, exclusivo para Heliopolis, cidade de Rá, de "o maior dos Senhores"), Diretor de Expedições e Supervisor de Obras. Ele também tem um título dado a alta nobreza, "o filho do rei, nascido de seu corpo".

O Irmão mais velho Rahotep foi Nefermaat, e seu irmão mais novo foi Ranefer. Rahotep morreu ainda quando jovem.

A esposa de Rahotep, Nofret é muito bonita, seus pais não são conhecidos e as circunstâncias que a fizeram casar-se com Rahotep são incertas.

Nofret e Rahotep tiveram três filhos - Djedi, Itu e Neferkau - e três filhas - Mereret, Nedjemib e Sethtet.

Rahotep nos disse que deveria viajar para as minas de turquesa do Sinai, e se quisermos, poderíamos ir com ele para encontrar seu meio-irmão Khufu que será o faraó quando da morte de Snefru.

Snefru tem de assegurar um extenso trabalho e armazenamento de materiais a fim de permitir a empreender os gigantescos projetos de construção (tais como as pirâmides).

(De acordo com Guillemette Andreu, este é o lugar onde a política externa do rei desempenhou um grande papel. As conquistas de Sneferu na Líbia e Núbia serviram a dois propósitos: O primeiro foi o de estabelecer uma extensa força de trabalho, e o segundo era o de ter acesso a matéria-prima e produtos especiais disponíveis nesses países. Tal como é mencionado na pedra Palermo:

"... A construção de navios Tuataua de madeira de Mer com capacidade para cem, e 60 barcos reais com capacidade para 16. A Campanha na Terra dos Negros, e a captura de sete mil prisioneiros, homens e mulheres, e vinte cabras ...
A Chegada de quarenta navios de madeira de cedro (ou talvez "carregado com madeira de cedro") ... "

Os esforços militares Sneferu na Líbia levaram à captura de 11 mil presos e 13.100 cabeças de gado. Além da extensa importação de cedro (provavelmente vindas do Líbano), descrito acima, evidências de atividade nas minas de turquesa na Península de Sinai e também grandes projetos de pedreiras para abastecer Sneferu com a pedra necessárias para as suas pirâmides).

A viagem foi tensa, a popularidade de Sneferu após suas rápidas e eficazes campanhas deixava muito a desejar. As pessoas pareciam estar olhando para nós com uma expressão desconfiada.

Chegamos minas de turquesa de noite e o futuro faraó Khufu de apenas 23 anos estava tendo problemas com um grupo de Mentiu (ou Moniti, um nome que aplicado a uma tribo de beduínos que usam chapéus estranhos da Península do Sinai).

O líder do grupo, aproveitou da estrada relativamente aberta para atracar Khufu. Rahotep reagir imediatamente, poupando a vida de seu meio-irmão.


Sobre as colinas rochosas do que é conhecido hoje como Wady Magharah, nós podíamos ver tábuas de pedra mostrando o monarca no ato de ferir um inimigo, o qual ele segura pelos cabelos de sua cabeça, com uma maça. A ação é aparentemente emblemática, pois ao lado vemos os dizeres “Ta Satu” – “aquele que espanca as nações”;

Sneferu chamar a si mesmo de Neter aa, "Grande Deus", e mat Neb, "o Senhor da Justiça." Ele também era o  "Hórus de Ouro", ou "o Conquistador". Mat Neb não é um título de costume com os monarcas egípcios, e sua assunção, por parte Sneferu parece marcar, em todo caso, seu apreço pela excelência da justiça, e seu desejo de ter a reputação de um governante justo.

Sneferu tinha reduzido a submissão dessas tribos, que em seu tempo habitaram a região do Sinai. O motivo do ataque não foi mera cobiça de conquista, mas sim o desejo de ganhar.

Após a vingança da tribo Mentiu atacando Khufu, fomos aos aposentos de Ankhaf.



De volta a Menphis, fomos ao templo de Ptah para receber as bênçãos do Sumo Sacerdote, 
e depois para o templo de Toth, onde Ankhaf iria cuidar das lesões de Khufu.

Nofret estava lá, e deixou o local com um olhar estranho em seus olhos. 
Não quero ser tidfo como fofoqueiro - mas acredito que Nofret está tendo um caso com Ankhaf.

Ankhhaf o filho de faraó Snefru com uma esposa de desconhecida. Ele tinha um irmão mais velho, Kanefer. Ele era mais jovem meio-irmão de Khufu, que se tornou rei após a morte Sneferu. Ankhhaf tinha os títulos de "filho mais velho do rei de seu corpo" (sa nswt n khtf smsw), "vizir" e "o grande dentre os cinco da casa de Thoth" (wr djw pr-Djehuti).

O túmulo de Ankhhaf em Gizé (7510 G) retrata a sua irmã-esposa Hetepheres. Hetepheres era a filha mais velha de Sneferu e da rainha Hetepheres I, portanto, meia-irmã de Ankhhaf. Hetepheres tinha os títulos de "filha mais velha do rei de seu corpo", "aquela a quem ele ama" (sat nswt n khtf smst mrt.f) e "Sacerdotisa de Sneferu" (HMT-NTR Snfrw). Ankhhaf e Hetepheres tiveram uma filha, que era mãe de Ankhetef.

Ankhhaf e Hemiano foram os principais responsáveis pela construção da Grande Pirâmide de Gizé e desempenhou um papel na construção da Esfinge. (Mastaba Ankhaf do túmulo, 7510 G, foi o maior no cemitério oriental de Gizé).

Depois de dar atendimento a seu meio-irmão, Ankhaf veio falar conosco. Ele nos prometeu que na manhã seguinte, iríamos visitar as mais novas pirâmides de Snefru.



Os monumentos mais conhecidos do reinado de Sneferu são as três pirâmides, duas construídas em Dahshur (a pirâmide curvada e a pirâmide vermelha) e uma em Meidum (pirâmide de Meidum). Sob o reinado de Sneferu, aconteceu a grande evolução em estruturas piramidais, o que levaria a construção da Grande Pirâmide de Khufu.

A Pirâmide de Degraus de Meidum 
A primeira das três pirâmides é uma imensa estrutura de pedra. Ele serve como testemunho físico para a transição da estrutura pirâmide de degraus ao de uma estrutura piramidal "verdadeira".

(As investigações arqueológicas mostram que a pirâmide foi inicialmente concebida como uma estrutura de sete degraus, construídas de forma semelhante ao complexo de Djoser em Saqqara. Modificações posteriores foram feitas para adicionar uma outra plataforma, e ainda mais posteriormente foi adicionado um acabamento em calcário para suavizar a estrutura e dar a característica angular de uma "verdadeira" pirâmide).

A Pirâmide de dupla inclinação 
Também conhecida como a Pirâmide romboidal ou inclinada, atesta um aumento às já grandes inovações arquitetônicas. Como o nome sugere, o ângulo muda de inclinação de 55 ° para cerca de 43 ° nos níveis superiores da pirâmide. É provável que a pirâmide não foi inicialmente projetada para ser construída desta forma, mas foi modificado durante a construção, devido à instabilidades causadas durante a colocação das camadas superiores.

A pirâmide de satélite que complementa a Pirâmide curvada de Sneferu introduz mais mudanças na arquitetura da época, ao construírem uma passagem ascendente para o oeste (em oposição ao sentido convencionalmente descendente para norte construídas anteriormente) em direção às câmaras de sepultamento.

A Pirâmide Vermelha

Com o aumento da inovação em projetos de construção de Sneferu, espera-se que em sua última pirâmide, a Pirâmide Vermelha, demonstre a sua maior complexidade e maior nível de inovações. A primeira vista, pode-se decepcionar vendo que a construção da Pirâmide Vermelha, aparentemente é mais simples do que as anteriores. Considerando aos avanços alcançados pela equipe de Sneferu, câmaras secretas podem estar à espera de ser descobertas dentro da superestrutura de pedra. (Considerando que os restos mortais do rei Sneferu ainda não foram encontrados, pode ser que seu sarcófago e múmia estejam escondidas em uma parte misteriosa da grande estrutura).

Ankhafer faz uma piadinha sobre as suas primeiras pirâmides, dizendo que "a pirâmide curvada e a pirâmide de degraus de Meidum são os maiores rascunhos já construídos ao ar livre".

Algumas semanas depois, Sneferu sucumbiu a uma doença e Khufu subiu ao trono egípcio ainda novo.

Khufu foi o filho do rei Sneferu e da Rainha Hetepheres I, irmão da princesa  Hetepheres. Ao contrário do pai, Khufu era um cruel e impiedoso. Khufu tinha nove filhos, um dos quais, Djedefra, foi seu sucessor imediato. Ele também tinha quinze filhas, uma das quais mais tarde se tornaria Rainha Hetepheres II.

(Vários dos filhos de Khufu ficaram conhecidos a partir do papiro Westcar, enquanto as outras crianças são apenas mencionadas em suas tumbas em Giza. No cemitério G 7000 acham-se várias das mastabas dessas crianças reais.

A má reputação de Khufu durou pelo menos até o tempo de Heródoto, que contava ainda histórias sobre suas crueldades com o seu povo e até sua própria família, a fim de garantir a construção de sua pirâmide).

Khufu sabia que ele deveria construir a melhor pirâmide de todas, ele tinha a mais experiente equipe de construtores, recursos financeiros, e determinação. 
Ele começou a trabalhar ainda antes do final do seu primeiro ano.

Um dos maiores enganos sobre a Grande Pirâmide de Khufu é que ela foi construída por escravos.

As descobertas de Zahi Hawass nos túmulos dos construtores das pirâmides no planalto de Gizé, finalmente descartaram definitivamente essa teoria.

Agora sabemos com certeza que as pirâmides foram construídas por homens e mulheres egípcias - e não escravos! Escravidão, enquanto ele existia no Antigo Egito, não foi uma parte importante da economia, especialmente no Reino Antigo, e, além disso, é importante analisar o significado da palavra "escravidão". Nós consideramos com escravidão a propriedade de uma pessoa. No Egito Antigo a palavra "escravidão" tinha o mesmo significado de "servo", uma pessoa que trabalha para outro.

A construção de pirâmides foi um projeto nacional. O monumento simboliza a enorme força e poder da casa real. No Egito Antigo, foi essencial para o faraó construir um túmulo para garantir o seu renascimento como um Deus após a morte e, assim, magicamente manter a ordem correta do universo. Cada casa do Alto ao Baixo Egito participou da construção do túmulo do Faraó (pirâmide). Cada família ajudou enviando alimentos, materiais e mão de obra. De inscrições hieroglífica e pichações podemos inferir que os construtores e artesãos qualificados provavelmente trabalharam durante todo o ano no local da construção da pirâmide. Camponeses das aldeias vizinhas e províncias participaram do trabalho como temporários.
Hora de voltar para o futuro, agora nós sabemos as forças por trás da construção deste monumento intrigante.

"Opa" Parece que eu trouxe uma pequena lembrança do antigo Egito.


Nenhum comentário: